PROVAS DE APTIDãO PROFISSIONAL, 22 DE JULHO àS 15H NO CENTRO DAS ARTES CASA DAS MUDAS

  • Publicado por SI.CEPAM
  • Colocado em

Provas de Aptidão Profissional dos alunos finalistas do 3º ano do Curso Profissional de Intérprete de Dança Contemporânea.

Títulos e Sinopses:

Formando: Jesus Maltez
Identificação da PAP: Renascer
“A vida não é um mar de rosas! A doença aparece, no entanto o Amor e a Amizade ajudam a ultrapassa-la. Podemos conseguir tudo o que queremos: Ter confiança em nós próprios, e devemos acreditar, nem que para isso seja necessário RENASCER!”

Formando: Raquel Silva
Identificação da PAP: Desvendar a Sociedade
“Desvendar o quê e porquê?
Temos de reconhecer e compreender o que nos rodeia. Todos os que passam por nós deixam um pouco de si, mas também, levam um pouco de nós.”

Formando: Patrícia Júlio
Identificação da PAP: Pecados (Quase) Mortais
“Seis coisas detesta lahweh, e sete lhe são abominação:
Olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam o sangue inocente, coração que maquina planos malvados, pés que correm para a maldade, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia discórdia entre irmãos. – Bíblia (Provérbios 6, 16-19)”

Formando: Noélia Barros
Identificação da PAP: Amor e Sida
“Dentro de tantos bares, onde todas as noites acontece um magnífico espectáculo de Tango Argentino, porque é que Guilherme escolheu o bar Gardel, onde Dolores encanta o público todas as noites com a sua dança escaldante e nós todos sonhamos com o amor…mas a vida está cheia de tragédias e quem sabe se a história que começou feliz acaba com uma desgraça por causa da peste do nosso século – a SIDA.”

Formando: Tatiana Pereira
Identificação da PAP: Basta!
“Sempre sonhei com o casamento feliz, o tal “felizes para sempre”, mas por momentos esqueci-me que essa realidade nem sempre existe. Dizem que o amor é cego, mas tu abriste-me os olhos no dia em que me abriste o coração. Tornaste-te dono da minha alma, e não soubeste cuida-la, deixaste-me sem poder de escolha. Os gestos? Tornaste-os teus. As palavras? Levava-as sem nunca serem pronunciadas. E assim todo o amor que me prometias, desfazia-se num gesto só!”